Número de profissionais de saúde com Covid dobra em uma semana e atinge 2,7 mil afastamentos na cidade de SP

Capital paulista tem 5% de médicos, enfermeiros e outros profissionais em licença médica atualmente. Outras síndromes gripais, com a Influenza, também contaminaram 2.416 funcionários da rede de saúde.

O número de profissionais de saúde contaminados com a Covid-19 dobrou em uma semana e atingiu a marca de 2.688 afastamentos de médicos, enfermeiros, agentes de saúde, psicólogos, entre outros, que atuam na rede pública da cidade de São Paulo. Os dados são do boletim da Prefeitura, divulgado na sexta-feira (21), com um dia de atraso das divulgações semanais que a Secretaria Municipal de Saúde tem feito desde o início da pandemia.

No dia 13 de janeiro, a capital contabilizava 1.403 profissionais afastados com Covid. No boletim de sexta-feira, o número saltou para 2.688, um aumento de 91,6%. Já em relação a outras síndromes gripais, com a Influenza, o crescimento foi de 43,55%, passando de 1.683 para 2.416 em uma semana.

No total, considerando todos os afastamentos – por diferentes causas – de profissionais da rede municipal de saúde, a cidade de São Paulo tem hoje 5.211 funcionários em licença médica, o que corresponde a 5% das equipes.

Na semana passada, eram 3.193 afastamentos.

Desde o começo da pandemia, a capital registrou 107 mortes de profissionais de saúde. Desde o dia 06 de dezembro do ano passado, a cidade não teve novas mortes.

  • Profissionais de saúde afastados na cidade de SP

  • 13/jan: 3.193

  • 21/jan: 5.211

  • ⬆️ 63,2%

  • Profissionais de saúde – COVID-19 confirmados

  • 13/jan: 1.403

  • 21/jan: 2.688

  • ⬆️ 91,58%

  • Profissionais afastados com síndrome gripal

  • 13/jan: 1.683

  • 21/jan: 2.416

  • ⬆️ 43,55%

* Óbitos desde o início da pandemia: 107

Categorias pedem mais contratações e estrutura

As categorias de médicos e enfermeiros têm questionado as decisões recentes da Prefeitura de São Paulo e diz que a contratação de 280 profissionais não é suficiente para sanar a sobrecarga acumulada nos últimos dois anos de pandemia.

Desde dezembro do ano passado, a Secretaria Municipal da Saúde decidiu ampliar os atendimentos na rede primária, principalmente nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), com decisões como a vacinação contra a Influenza, a testagem em massa para gripe e Covid e, desde o último fim de semana, a abertura das UBS aos sábados.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a rede municipal de Saúde conta com mais de 13 mil médicos, dos quais pelo menos 2,5 mil foram admitidos durante a pandemia. A Secretaria Municipal de Saúde diz que já autorizou todas as organizações parceiras a contratação de 700 profissionais de saúde, inclusive médicos, para atender a demanda nas unidades de Atenção Básica, a critério das Coordenadorias Regionais de Saúde (CRSs).

Além disso, 280 profissionais já foram contratados no mês de dezembro para auxiliar no atendimento à população.

Fonte: G1

 

sobre Ronaldo Glaydson

Check Also

Bolsonaro indica 18 nomes para direção de agências reguladoras

O presidente indicou nomes para cargos na Aneel, Anvisa, ANTT, ANS e ANP; os indicados ainda …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.