PGR recorre de decisão que concedeu liberdade ao ex-ministro José Dirceu

 Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal mandou soltar o ex-ministro em junho. De acordo com Raquel Dodge, há omissão e contradição na decisão que suspendeu a execução da pena.

 

 A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, apresentou, nesta segunda-feira (30), recurso contra da decisão Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em junho, concedeu liberdade do ex-ministro José Dirceu.

 O ex-ministro foi condenado a 30 anos e 9 meses de prisão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa na Operação Lava Jato, ele já havia começado a cumprir a pena neste ano.

No recurso apresentado ao Supremo, Raquel Dodge sustenta que há omissão, obscuridade e contradição na decisão que suspendeu a execução provisória da pena.

 De acordo com a procuradora-geral da República, o julgamento possui vícios com relação às regras processuais e à fundamentação adotada na decisão da Segunda Turma.

Entenda o caso

 Dirceu foi preso em maio e levado para o presídio da Papuda, em Brasília, onde cumpre pena. Ele foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) a 30 anos e 9 meses de prisão, no âmbito da Operação Lava Jato, acusado dos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

 O processo teve origem na investigação, pela Operação Lava Jato, de irregularidades na Diretoria de Serviços da Petrobras. O Ministério Público Federal (MPF) apontou 129 atos de corrupção ativa e 31 atos de corrupção passiva, entre os anos de 2004 e 2011.

 Segundo a denúncia, empresas terceirizadas contratadas pela Petrobras pagavam uma prestação mensal para Dirceu por meio de Milton Pascowitch, lobista e um dos delatores da Lava Jato. Para o MPF, foi assim que o ex-ministro enriqueceu.

 De acordo com o MPF, também havia ilegalidades relacionadas à empreiteira Engevix. A empresa, segundo as investigações, pagava propina por meio de projetos junto à Diretoria de Serviços da Petrobras e teria celebrado contratos simulados com a JD Consultoria, empresa de Dirceu, realizando repasses de mais de R$ 1 milhão por serviços não prestados.

 O ex-ministro chegou a ficar preso no Paraná entre agosto de 2015 e maio de 2017, quando conseguiu no Supremo Tribunal Federal (STF) um habeas corpus para aguardar o julgamento dos recursos em liberdade – mas com monitoramento por tornozeleira eletrônica.

 

Fonte: G1/RN

Mais Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
É #FAKE que pesquisa atual mostre popularidade recorde de Lula

É #FAKE que pesquisa atual mos…

 Dados sobre aprovação do ex-presidente sã...

Bombeiros filmam raro tornado de fogo na Inglaterra

Bombeiros filmam raro tornado …

 Fenômeno ocorre quando ar frio entra no t...

Dias Toffoli é eleito presidente do Supremo Tribunal Federal

Dias Toffoli é eleito presiden…

 Ministro sucederá a atual presidente, Cár...

Barreiras itinerantes impedem ações de criminosos na zona Norte

Barreiras itinerantes impedem …

 A fiscalização vem sendo feita diariament...

Foragido da justiça morre em confronto com a Rocam no Paço da Pátria

Foragido da justiça morre em c…

 Diogo Machado, mais conhecido como "Pesão...

Associação dos Cabos e Soldados da PM/RN entra com ação na justiça cobrando 13° salário dos associados

Associação dos Cabos e Soldado…

Mesmo após inúmeras reuniões com os representan...

Governo do RN prorroga estado de calamidade na saúde pública pela segunda vez

Governo do RN prorroga estado …

 Decreto determina a prorrogação por mais ...

Cinco são presos pulando muros após roubo a motorista de aplicativo em Natal

Cinco são presos pulando muros…

 Prisões aconteceram na noite desta terça-...

Ministro Luiz Fux afirma em decisão que Lula é inelegível

Ministro Luiz Fux afirma em de…

 Para presidente do Tribunal Superior Elei...

Hot topics

Follow us